Sou um Líder Global, e agora?

líder global

by Freepik.com

Imagine a seguinte situação, hipotética: terça feira, nove da manhã, seu chefe te chama na sala dele e te dá a notícia: “Você agora é Global Head of Purchasing”, ou: você é agora o gerente geral de toda a corporação para os processos de compras. Primeiro ponto do tema: será essa uma situação realmente hipotética? Acho que os leitores sabem muito bem que não. Bom, mas, parabéns! Mas, seria mesmo?

Hoje o mundo está globalizado, e isto afeta o seu dia a dia. Pelo menos é o que dizem. Mas, se você mal conseguia medir esse impacto antes, imagina agora que você é um líder global! Socorro!… Mas, não precisa entrar em pânico! Se você acha o seu novo posto muito sofisticado, mas se questiona se está preparado, bravo! Você começou muito bem! Na verdade, foi depois de anos em liderança de equipes multiculturais, sejam culturas organizacionais, nacionais, ou ambas (!) que consegui não só parar de sentir pânico, mas também a desmitificar este posto, aprendendo algumas lições para sua execução. Então, vamos lá!

Três são os pontos chave para o desenvolvimento do líder global: primeiramente, ninguém pensa como você! Este raciocínio parece óbvio, mas somente se você estiver entre pessoas com os mesmos valores e costumes. Se você está diante de alguém cuja visão de sua agenda, por exemplo, não existe para um período menor do que uma semana, você vai perceber que a improvisação brasileira não é lei. Ter esta consciência é o primeiro passo para o desenvolvimento de um líder global.

O segundo ponto: cada nacionalidade e organização tem sua forma de executar o seu trabalho. E você tem que entender isso! No caso das nacionalidades: americanos necessitam de rígidos procedimentos de trabalho, franceses são autônomos e alemães são lógicos. Perceber cada sutileza na forma de trabalho de cada nação, incluindo a sua, é muito importante para que você consiga lidar com as diferenças que existirão na sua equipe.

Por fim, assim como você, todos estão em pânico! Lembre-se que assim como você, toda a sua equipe está apreensiva com a nova estrutura e sua chegada.

Apesar de três pontos de atenção, são duas as ações para se lidar com esse novo cenário em um primeiro momento:

  • Estimule a escuta para compreender! Peça que escutem seus colegas até o fim, que notem onde há qualidades e potenciais problemas nos processos da área; observe com eles o que pode ser oriundo da característica de um país, região ou organização e lembre-os que há mais de uma visão de mundo e que proveitos podem ser tirados de todos;
  • Estimule a criação de uma nova estrutura: todos já entenderam as melhores práticas. Agora construa as de sua equipe! Uma ruptura com as antigas e a criação de novas práticas através da globalidade trará motivação à equipe. E ninguém mais sentirá em pânico;
  • Gostaria então, antes de finalizar, de fazer uma tabela, simples, que poderia ajudar muito quanto às ações que deveríamos ou não tomar quando líderes em uma empresa multicultural. O objetivo é dar pequenas dicas do que fazer e do que não fazer também em um primeiro momento, quando você for pego de surpresa!

Líder global

* Este artigo foi escrito por sugestão e depois para publicação do Professor Mandelli, que muito me honrou, como sua aluna e eterna aprendiz e seguidora. Ele ilustra bem os temas a serem abordados no “Debate UBQ | Gestão da Integração Cultural e Lideranças Globais”, que acontecerá no próximo dia 30/03/17, pois trata das gestões de culturas – nacionais, organizacionais – e a importância dos Líderes Globais. Se você tem interesse no assunto, venha conversar conosco. Clique aqui para se inscrever.


SOBRE A AUTORA

Líder GlobalRenata Maria De Marco Bohomoletz – Engenheira Mecânica de Formação, possui 20 anos de experiência em Consultoria e Gestão de Projetos de Reengenharia de Processos, Inteligência de Mercado, Gestão de Mudança e Integração de Equipes Multiculturais. Também é Consultora Especialista em Estratégia & Mercados Internacionais e Gestão de Projetos para Comunicação e Integração Intercultural. Países de experiência: Argentina, Brasil, Canadá, Estados Unidos, México, Costa Rica, Chile, Colômbia, Peru, França, Espanha, Alemanha, Bélgica, Luxemburgo, Polônia, Itália.